17 Água: a rede da solidariedade
Quando as vilas de nosso município não contavam com os serviços das grandes companhias de água, cabia muitas vezes aos moradores e "urbanizadores" a tarefa ingrata de procurar água potável. Na região da Santa Isabel a perfuração de poços era feita com modernas perfuratrizes, com esta da foto (1963), em pleno funcionamento próximo à sanga que corria ainda límpida na esquina da José Bonifácio com a Neida Maciel. As redes de distribuição não alcançavam os leitos das ruas. Era por dentro dos pátios, de uma caixa d'água para a outra que essa rede de solidariedade funcionava. Os moradores pagavam uma pequena taxa de manutenção por um serviço racionado, que não dava conta da demanda. Esse sistema durou até meados da década de 1970. E muitos dos "administradores" tinham sua função aderida ao sobrenome, como João Urbano, que cuidava da rede das Vilas Aparecida e Jardim Universitário que era carinhosamente chamado de "Seu João da Água".
Texto: Eduardo Escobar